COVID 19 E VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: DUAS GUERRAS NA PANDÊMIA

17 jul, 2020Sem categoria

A casa deveria ser o porto seguro da mulher, sobretudo nessa época de Pandemia, mas não é. Segundo os dados publicados pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, através da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, aumentaram 35% em abril deste ano as denúncias de violência contra a mulher em relação ao mesmo período no ano passado.

Aliás, 80% dos agressores que cometem a violência doméstica são companheiros ou ex-companheiros, com quem convive diariamente, e ainda, a grande maioria dos casos ocorre dentro da própria casa. É alarmante, mas a cada 2 horas uma mulher morre, a cada 9 minutos uma mulher é estuprada e a cada 2 minutos ocorre uma agressão conforme previsto na Lei Maria da Penha – Lei n° 11.340/2006.

Em relatório produzido a pedido do Banco Mundial, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública destaca que os casos de feminicídio subiu de 117 para 143 casos nos meses de março e abril em 12 estados do país. A entidade ainda publicou registros confirmando que, mesmo com um aumento de relatos, as mulheres estão registrando menos boletins de ocorrência.

Necessário frisar que o aumento de agressões com o isolamento social não atinge somente as mulheres, mas também outros grupos, como idosos, pessoas com deficiências, crianças e adolescentes. Uma parceria entre o Ministério da Mulher, da Família e dos Diretos Humanos e o Ministério da Cidadania de Osmar Terra, resultou em uma campanha de conscientização e enfrentamento à violência doméstica e tem como mote a frase “DENUNCIE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA – PARA ALGUMAS FAMÍLIAS, O ISOLAMENTO ESTÁ SENDO AINDA MAIS DIFICIL”.

A referida campanha foi motivada após ser observado o aumento das denúncias pelo 180, e uma redução de 18% nas denúncias de violência contra crianças pelo Disque 100, o que gera preocupação, em razão de que a maioria das violências contra crianças são denunciadas por creches ou escolas, e infelizmente as crianças estão muito vulneráveis nessa pandemia, afinal elas não ligam, não falam, não denunciam e não utilizam aplicativo, situação equivalente aos idosos.

O aumento de violência no confinamento não é um problema somente do Brasil. Na Itália registrou-se um aumento de 161,71% nas denúncias telefônicas entre os dias 1° e 18 de abril, na Argentina o canal de denúncias “Linha 144” teve um aumento de 30% na segunda quinzena de março, a França teve aumento de 32%, a Espanha aumento de 13% , enfim, a Europa toda teve um aumento de casos de violência doméstica neste período de isolamento social.

Injustificadas tais agressões, porém, se observa que o aumento em período de confinamento se dá em razão da vulnerabilidade das vítimas em relação aos seus agressores, que diante do isolamento social passam mais tempo com as vítimas. A rotina, a falta de liberdade para sair de casa e a presença constante dos agressores, aumenta a dificuldade de buscar ajuda. Elas se sentem com menos acesso a apoio.

No entanto, estão sendo realizadas várias campanhas com intuito de socorrer essas vítimas de violência doméstica. O Conselho Nacional de Justiça publicou a campanha “Sinal Vermelho contra a violência doméstica”, orientando mulheres e outros grupos que enfrentam ou vivenciam uma situação de violência doméstica a desenharem um “X” vermelho na palma da mão e mostrá-lo para alguma pessoa. Várias farmácias aderiram à campanha ampliando a possibilidade de ajuda, ocasião em que os atendentes ao avistarem alguém com a referida marca, entram em contato imediato com a polícia pelo 190.

O Ministério da mulher, família e Direitos Humanos disponibilizou um novo site de Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, e um aplicativo chamado “DIREITOS HUMANOS BRASIL” disponível para Androide e iOS para ajudar as vítimas de violência doméstica a denunciar seus agressores em qualquer lugar do Brasil, ambos com ferramenta via chat e podendo compartilhar anexos (fotos, vídeos, textos, etc).

Possui, ainda, os meios convencionais através da Central de Atendimento à Mulher em situação de violência 180; Canal Geral de denúncias de violações de diretos humanos 100 e Polícia Militar 190.

Afinal, em briga de família SE METE A COLHER SIM! Denuncie!

A ACORDIA Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem é uma instituição com foco em resolução de conflitos. Oferece métodos exclusivos de prevenção, avaliação e resolução de problemas.

janeiro 2021
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Usamos cookies para garantir uma melhor experiência em nosso site. Leia nossa Política de Privacidade.

Configurações de Cookie

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FuncionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalíticoNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de a.o. a usabilidade.

Mídia SocialNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

PublicidadeNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.