A mediação e a arbitragem na Administração Pública

8 jul, 2020Sem categoria

A tão conhecida morosidade do Judiciário na prestação jurisdicional é apenas um dos problemas e, para a Administração Pública a situação se encontra de mal a pior. Segundo dados da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN), a duração média de tramitação da execução fiscal é de 9 anos, 9 meses e 16 dias. O custo das ações para a Administração Pública aliado à baixa probabilidade de resultado – de efetivo pagamento do crédito fiscal pelo devedor-executado, é elevadíssimo.

Segundo dados publicados pela FGV de 2018, representa 2% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, enquanto nos EUA (país de dimensões análogas), o percentual é de 0,14%. Essa comparação fica ainda pior quando aferimos com outros países de direito processual e composição do Judiciário similar, como Portugal, Espanha e Itália (0,3% do PIB) e França (0,2% do PIB).

E, conforme informam os dados do Relatório Justiça em Números 2019 (ano-base 2018), publicado anualmente sob a coordenação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Poder Judiciário finalizou o ano com 86,6 milhões de processos em tramitação. Desse total, aproximadamente 1/3 são de processos de execuções fiscais.

O Código de Processo Civil, Lei n. 13.105/2015, inovou ao trazer dentre os preceitos fundamentais a permissão da arbitragem (Art. 3º, §1º), a determinação para que o Estado promova a solução consensual de conflitos (Art. 3º, §2º) e a deliberação de que a conciliação, a mediação e outros métodos de solução consensual de conflitos deverão ser estimulados por juízes, advogados, defensores públicos e membros do Ministério Público, inclusive no curso do processo judicial (Art. 3º, §3º).

A lei n. 13.140/15 (lei de mediação) foi um marco em nosso ordenamento jurídico, dispondo sobe a mediação entre particulares como meio de solução de conflitos e sobre a autocomposição no âmbito da Administração Pública, todavia, ainda pouco utilizada por desconhecimento da sociedade.

A arbitragem já estava regulada desde o ano de 1996 por meio da Lei n. 9.307, autorizando, em seu Art. 1º, as pessoas capazes de contratar a dirimir conflitos relativos a direitos patrimoniais disponíveis por meio da arbitragem. Entretanto, somente em 2015, através da inclusão do §1º ao Art. 1º pela Lei n. 13.129, é que encerrou a discussão sobre a arbitrabilidade subjetiva da Administração Pública, ou seja, passou a ser expressamente autorizada que a Administração Pública direta e indireta utilizasse a arbitragem para dirimir conflitos relativos a direitos patrimoniais disponíveis.

A partir de então, o crescimento da arbitragem como método adequado de resolução de controvérsias, notadamente em conflitos envolvendo a Administração pública foi evidente.

Em 26 de agosto de 2019 foi sancionada a Lei Federal n. 13.867 que possibilita a utilização da mediação e da arbitragem para a definição dos valores de indenização nas desapropriações por utilidade pública, determinando ao particular a possibilidade de escolher a câmara de mediação e arbitragem que administrará o processo.

As legislações supramencionadas representam um avanço considerável para a sociedade e a Administração Pública, porquanto possibilita a utilização de métodos mais rápidos, eficientes, econômicos e seguros na solução dos conflitos.

A modernização da Administração Pública, com a utilização da mediação e da arbitragem, é medida que se impõe, porque o Administrador público não só pode como deve zelar pelo interesse da sociedade, primando pelos princípios constitucionais da eficiência, finalidade, imparcialidade, razoabilidade e proporcionalidade.

Quanto à possível alegação de indisponibilidade do interesse público, adianto ressaltando que indisponível é a competência tributária, ou seja, a Administração Pública não pode deixar de fiscalizar e arrecadar o tributo, todavia, o crédito tributário de per si não é indisponível, porquanto tem natureza patrimonial.

Com efeito, o alto índice de congestionamento, o elevado custo das execuções, aliado à considerável ineficiência do recebimento do crédito fiscal, recomendam a utilização dos métodos adequados de solução de conflitos pela Administração Pública, inclusive nos processos de execução fiscal, pois além de representarem o grande gargalo da justiça comum, não atingem, a tempo e modo, a sua finalidade.

Melanie de Carvalho Tonsic   

A ACORDIA Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem é uma instituição com foco em resolução de conflitos. Oferece métodos exclusivos de prevenção, avaliação e resolução de problemas.

janeiro 2021
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Usamos cookies para garantir uma melhor experiência em nosso site. Leia nossa Política de Privacidade.

Configurações de Cookie

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FuncionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalíticoNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de a.o. a usabilidade.

Mídia SocialNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

PublicidadeNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.